São Joaquim e Sant`Ana

Endereço:

Rua Lauro Gomes Vidal, 359santa ana

Bairro Fernão Dias

CEP: 31920-000

Belo Horizonte – MG

Celebrações:

Domingo às 18hs

Terça-feira às 19hs

                          20hs – Escola Teológica “Beber no Próprio Poço”

Adoração ao Santíssimo Sacramento: 2º sábado às 15hs

Terço dos Homens – segundas- feiras às 20hs

De 1971 a 1974, nossa missa era no salâozinho dos vicentinos, celebrada pelo Pe. João. De fevereiro de 1974 a fevereiro de 1978 ficamos sem a missa por falta de padre. Nesta época Fr. Osório já atendia a comunidade da penha e aceitou a celebrar também no salãozinho do Dom Joaquim. Ainda em 1978 foi feito um requerimento junto a PBH para a construção da igreja. No mesmo ano de 1978 a construção foi iniciada, graças a um dinheiro da venda de um terreno na Penha. A comunidade mobilizada por muitas lideranças foi colocando tijolo por tijolo até fazer, primeiro o salão, onde eram celebradas as missa e depois a igreja, no andar de cima. A inauguração da igreja provisória, foi no dia 7 de outubro de 1979. A inauguração da atual igreja contou com a presença de Dom Resende Costa. Enquanto a igreja ia sendo construída, a comunidade foi fortalecendo e renovando permanentemente, até chegar na formação de vários grupos pastorais e de serviço.

HISTÓRIA SÃO JOAQUIM E SANT’ANA

Sabe-se muito pouco sobre Santa Ana. Sabe-se que esta era mãe de Maria de Nazaré, esposa de São Joaquim e Avó de Jesus. Sabe-se também que esta teria após o nascimento da Virgem Maria tido mais uma ou duas filhas, pois Deus liberara após Joaquim ter ficado 40 dias no deserto. O nome dessas filhas são: Maria Salomé e Maria de Cleofas. Além da religião católica os antigos celtas e druidas atribuem a sua existência a Deusa Danu ou Anu, na Irlanda, a qual seria o seu sincretismo como Santa Ana ou também Santa Brígida.

Os dados biográficos que sabemos sobre os pais de Maria foram legados pelo Proto-Evangelho de Tiago, obra citada em diversos estudos dos padres da Igreja Oriental, como Epifânio e Gregório de Nissa.

Sant’Ana, cujo nome em hebraico significa graça, pertencia à família do sacerdote Aarão e seu marido, São Joaquim, pertencia à família real de Davi.

Seu marido, São Joaquim, homem pio fora censurado pelo sacerdote Rúben por não ter filhos. Mas Sant’Ana já era idosa e estéril. Confiando no poder divino, São Joaquim retirou-se ao deserto para rezar e fazer penitência. Ali um anjo do Senhor lhe apareceu, dizendo que Deus havia ouvido suas preces. Tendo voltado ao lar, algum tempo depois Sant’Ana ficou grávida. A paciência e a resignação com que sofriam a esterilidade levaram-lhes ao prêmio de ter por filha aquela que havia de ser a Mãe de Jesus.

Eram residentes em Jerusalém, ao lado da piscina de Betesda, onde hoje se ergue a Basílica de Santana; e aí, num sábado, 8 de setembro do ano 20 a.C., nasceu-lhes uma filha que recebeu o nome de Miriam, que em hebraico significa “Senhora da Luz”, passado para o latim como Maria. Maria foi oferecida ao Templo de Jerusalém aos três anos, tendo lá permanecido até os doze anos.

 

Pelo texto Caverna dos Tesouros, atribuído a Efrém da Síria, Ana (Hannâ) era filha de Pâkôdh e seu marido se chamava Yônâkhîr.[1] . Yônâkhîr e Jacó eram filhos de Matã e Sabhrath.[1] Jacó foi o pai de José, desta forma, José e Maria eram primos.[1]

São João Damasceno, ao escrever sobre o Natal, deixa claro que São Joaquim e Santa Ana são os pais de Maria.

Devoção

A devoção aos pais de Maria é muito antiga no Oriente, onde foram cultuados desde os primeiros séculos de nossa era, atingindo sua plenitude no século VI. Já no ocidente, o culto de Santana remonta ao século VIII, quando, no ano de 710, suas relíquias foram levadas da Terra Santa para Constantinopla, donde foram distribuídas para muitas igrejas do ocidente, estando a maior delas na igreja de Sant’Ana, em Düren, Renânia, Alemanha.

Seu culto foi tornando-se muito popular na Idade Média, especialmente na Alemanha. Em 1378, o Papa Urbano IV oficializou seu culto . Em 1584, o Papa Gregório XIII fixou a data da festa de Sant’Ana em 26 de Julho, e o Papa Leão XIII a estendeu para toda a Igreja, em 1879.Em França, o culto da Mãe de Maria teve um impulso extraordinário depois das aparições da santa em Auray, em 1623.

Tendo sido São Joaquim comemorado, inicialmente, em dia diverso ao de Sant’Ana, o Papa Paulo VI associou num único dia, 26 de julho, a celebração dos pais de Maria, mãe de Jesus.

 

Pin It